Análise

Nem Brandão, nem Weverton. O grande problema de Flávio Dino após reunião anunciada

Nem Brandão, nem Weverton. Hoje, o governador Flávio Dino (PCdoB) tem um grande problema em cima de sua mesa. Com a reunião da assembleia partidária antecipada, reunindo toda a base dinista, o que era para ser um movimento de pacificação aflorou ainda mais a disputa entre o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o senador Weverton Rocha (PDT). 

A agenda dos dois e movimentos de bastidor querem mostrar para Dino quem tem mais força para ter o aval de Flávio Dino. Weverton divulga por intermediários que tem grupo para ser candidato de Flávio, mas não deixará de ser candidato ao governo. Sua posição de senador permite que ele seja candidato sem o risco de perder poder, pois em 2023 completará a metade do mandato de senador, que ao todo são oito anos. É uma oportunidade que o pedetista não quer perder.

Participe do grupo fechado no WhatsApp

Carlos Brandão (PSDB) com uma postura bem tímida não consegue empolgar agentes políticos. Brandão confia que a articulação de raposas da política e estar na condição de governador durante as eleições vai favorecer o apoio de bases pelo interior do Maranhão, principalmente dos novos prefeitos eleitos em 2020. Mas nem Flávio Dino confia muito nessa estratégia, reverberada pelo ex-governador José Reinaldo Tavares (PSDB) quando disse que Weverton não aguentaria ser candidato contra dois governadores. Ou seja, Zé Reinaldo faz alusão ao futuro governador Carlos Brandão e a Flávio Dino disputando o Senado, mas também na condição de neo-ex-governador.

Participe do grupo fechado no WhatsApp

“Situação difícil” é o que Flávio Dino tem afirmado para aliados mais próximos. Na visão de Flávio, Brandão não consegue se viabilizar, enquanto Weverton tá se viabilizando “até demais” com acenos constantes para o bolsonarismo. Uma das saídas é ter uma terceira via que sairia do grupo mais próximo de Flávio Dino. Esse grupo é formado por secretários nunca testados nas urnas e que já estão com a pré-campanha para deputado federal e estadual nas ruas.

E o problema pode ficar maior, quando do grupo de Flávio Dino, após a reunião, sair não dois, mas quatro pré-candidatos ao governo. Carlos Brandão, pelo PSDB; Weverton Rocha, pelo PDT; Josimar Maranhãozinho, pelo PL e o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, pelo PTB. Mais do que nunca, Flávio Dino terá que mostrar a sua boa habilidade política que costuma vender para todo o Brasil. Terá?