Polícia

Polícia

Operação Quarta Parcela da PF mira em fraudes do auxílio emergêncial

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (04), a Operação Quarta Parcela, no combate incessante contra fraudes em Benefícios Emergenciais, disponibilizados pelo Governo Federal à população carente. 

A operação policial é fruto do trabalho conjunto da Polícia Federal, Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, Caixa Econômica Federal, Receita Federal, Controladoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União, Instituições que participam da Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (EIAFAE). 

Os objetivos da atuação conjunta e estratégica são a identificação de fraudes massivas e a desarticulação de organizações criminosas que atuam causando prejuízos aos programas assistenciais e, por consequência, atingindo a parcela da população que necessita desses valores. 

No Maranhão foi realizada uma segunda fase da ação iniciada em dezembro de 2020, com o cumprimento na data de hoje de mandado de busca e apreensão no município de Pedreiras/MA. No total estão sendo cumpridos na data de hoje 32 Mandados de Busca e Apreensão e 07 Mandados de Sequestro de Bens, perfazendo um total de mais de R$ 170 mil bloqueados por determinação judicial. 

A Operação contou com 117 Policiais Federais nos Estados do Amazonas, Amapá, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Paraná, Rondônia, Maranhão e São Paulo. Seguindo todos os protocolos de cuidados do Ministério da Saúde, a Polícia Federal prossegue com a realização de ações em prol da sociedade

Polícia

Em 2020, o prefeito Luciano Genésio recebeu quase R$ 50 milhões do Fundo Nacional de Saúde

O município de Pinheiro (MA), administrado por Luciano Genésio (PP), recebeu em 2020 quase R$ 50 milhões pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS). Desse valor, mais de R$ 20 milhões foram destinados especificamente para ações de prevenção e combate à pandemia do novo coronavírus.

Nesta terça-feira (02), a Prefeitura de Pinheiro foi alvo da Operação Estoque Zero realizada, em conjunto, pela Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União (CGU). A Operação aponta que testes de covid-19 foram comprados e não entregues.

Receba notícias como essa antes que todo mundo. Participe do nosso Telegram!

A não entrega dos 6 mil testes de Covid-19 ao município de Pinheiro (MA) contribuiu para a dificuldade de rastreamento preventivo dos casos positivos para Covid na cidade e, assim, acelerar a curva de contágio da doença. O desvio de recursos, por sua vez, subtraiu do já escasso orçamento público recursos para as demais ações de saúde necessárias para o bom atendimento às vítimas de Covid-19.

Operação Estoque Zero

Foram identificados fortes indícios de que nenhum teste fora de fato entregue pela empresa contratada ao município, apesar de haver sido emitida, em maio de 2020, nota fiscal de venda dos 6 mil testes contratados e já ter sido identificado o pagamento parcial de R$ 320 mil. Além de a empresa não ter adquirido testes para revenda, reforça a suspeita de simulação de venda o fato de Pinheiro (MA) ter recebido doação de 2.240 testes da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão e ter realizado, até início de agosto de 2020, apenas 1.381 testes na população.

Receba notícias como essa antes que todo mundo. Participe do nosso WhatsApp!

O prejuízo total ao erário pode chegar a R$ 960 mil, caso seja identificado pagamento residual da fatura apresentada pela empresa.

Além de Pinheiro (MA), a empresa de fachada teria vendido 17,5 mil testes para outros três municípios nos estados do Maranhão, Piauí e Ceará, pelo valor total de R$ 1.075.500,00, sem nunca tê-los adquirido.

Polícia

Covidão: PF faz operação em Pinheiro

A Prefeitura de Pinheiro, na baixada maranhense, foi alvo de operação da Polícia Federal e da Controladoria-Geral da União (CGU) nesta terça-feira (02). A Operação Estoque Zero alcança a administração do prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio (PP) e tem o objetivo de combater esquema criminoso de desvio de recursos públicos do combate à pandemia da Covid-19.

Investigações

O trabalho se iniciou a partir de investigação da CGU, que detectou direcionamento na contratação, por dispensa de licitação e em caráter emergencial, de empresa de duvidosa capacidade técnica e operacional pela Secretaria de Saúde de Pinheiro (MA) para fornecimento de 6 mil testes rápidos de Covid-19, no valor total de R$ 960 mil.

Polícia Federal tem mandado de busca e apreensão

Além disso, foram identificados fortes indícios de que nenhum teste fora de fato entregue pela empresa contratada ao município, apesar de haver sido emitida, em maio de 2020, nota fiscal de venda dos 6 mil testes contratados e já ter sido identificado o pagamento parcial de R$ 320 mil. Além de a empresa não ter adquirido testes para revenda, reforça a suspeita de simulação de venda o fato de Pinheiro (MA) ter recebido doação de 2.240 testes da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão e ter realizado, até início de agosto de 2020, apenas 1.381 testes na população.

O prejuízo total ao erário pode chegar a R$ 960 mil, caso seja identificado pagamento residual da fatura apresentada pela empresa.

Além de Pinheiro (MA), a empresa de fachada teria vendido 17,5 mil testes para outros três municípios nos estados do Maranhão, Piauí e Ceará, pelo valor total de R$ 1.075.500,00, sem nunca tê-los adquirido.

Polícia

Empresário envolvido na ‘Máfia de Anajatuba’ é encontrado morto em casa

Morreu na madrugada desta segunda-feira, 22, em sua residência, no condomínio Lake Side, na Ponta da Areia, o empresário Fabiano de Carvalho Bezerra, 43 anos, principal envolvido em seis ações criminais por fraudes em licitações em prefeituras maranhenses, especialmente em Anajatuba e Itapercuru Mirim

Fabiano Bezerra

Neste último caso, o Ministério Público estadual denunciou a organização criminosa por desvio de R$ 27 milhões. Fabiano foi encontrado morto em seu quarto, pela empregada, ao lado da esposa Maina Maciel, que estava dormindo e foi despertada com os gritos da doméstica.

Tudo indica que tenha tido um enfarte fulminante durante a noite. A pedido da família, o corpo foi levado para o Instituto Médico Legal para ser
submetido a necrópsia.

A informação é de O Informante, do Jornal Pequeno. Leia completo.