Weverton usa discurso de Bolsonaro para criticar alta dos combustíveis

O senador Weverton Rocha (PDT) está cada vez mais alinhado com o discurso de Jair Bolsonaro (PL). Agora, em duro flagrante, utilizou do mesmo discurso do presidente Bolsonaro para justificar a alta dos combustíveis.

“Mais um aumento para começar a semana! Dessa vez, do diesel. Isso vai impactar nos alimentos transportados em caminhões. É impossível continuar este descontrole. Como não se indignar? Por isso, critico a atual direção da Petrobras que se preocupa só com lucro de acionistas”, disse Weverton poupando o mandatário do Brasil.

Há dois dias, Jair Bolsonaro fez a mesma acusação como se estivesse alheio ao problema. 

“Esta semana vocês estão conhecendo um pouco mais do que é a Petrobras aqui no Brasil. Eles sabem que o Brasil não aguenta mais o reajuste de combustível numa empresa que fatura dezenas de bilhões de reais por ano às custas do nosso povo brasileiro”, atacou o presidente Bolsonaro, como se nada pudesse fazer.

Ciro Gomes, presidenciável e do mesmo PDT de Weverton, foi direto ao ponto e, por não ter nenhum interesse de aproximação com Bolsonaro, não poupou o presidente.

“Bolsonaro disse que a Petrobras é uma estupradora porque está dando aumentos abusivos nos preços dos combustíveis. “O principal estuprador nessa história é ele! Porque estupra o povo com os preços altos e estupra a verdade”, disse em vídeo divulgado em seu canal do YouTube após a declaração [acima] de Bolsonaro.

“A Petrobrás apesar da venda gigantesca de ações feitas por Fernando Henrique e principalmente Lula, ainda é uma empresa cuja maioria do capital pertence ao povo brasileiro. O sócio majoritário do capital que vota, é o governo brasileiro, portanto, o presidente da república é quem decide, em última instância, a política de preços da Petrobras”, disse ainda.

Enquanto isso, Weverton vai desafinando ideologicamente e cada mais afinado com Jair Bolsonaro e os seus.

Inscreva-se no meu canal do YouTube!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *