Coronavírus

Coronavírus

Prefeitura de São Luís disponibiliza telefones para informações sobre a vacinação contra Covid-19

A Prefeitura de São Luís está disponibilizando à população um canal tira-dúvidas sobre a vacinação contra a Covid-19. O contato pode ser feito por meio dos telefones (98) 99101-7540 e (98) 99103-0820 e está disponível das 8h às 18h, de segunda-feira a sexta-feira. 

O serviço tira-dúvidas é mantido pela Coordenação de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), que esclarece, por exemplo, sobre público-alvo, cronograma por idade de vacinação, locais de imunização, horários, vacinação de acamados, dentre outros assuntos. A plataforma de atendimento foi criada para facilitar o acesso das pessoas a informações consideradas básicas da campanha. 

Entre as principais perguntas dos públicos-alvo da campanha, apontadas em relatório das redes sociais e nos locais de vacinação, estão ainda como a pessoa deve se portar entre a primeira e segunda doses e outras questões. “A criação deste canal é, na verdade, para possibilitar uma forma rápida das pessoas terem acesso a informações importantes sobre a vacinação contra a Covid-19”, disse o secretário de Saúde de São Luís, Joel Nunes. 

Os números não são de WhatsApp e devem ser utilizados para ligação. Os números também não serão usados, por exemplo, para marcação de dias e horários de vacinas e tampouco para cadastrar público-alvo da imunização. Para este procedimento há o canal específico, a plataforma Vacina São Luís, disponível no site da Prefeitura de São Luís. 

O número (98) 99174 4442 utilizado exclusivamente para enviar mensagens somente via whatsapp sobre informações de dados no cadastro na plataforma Vacina São Luís continua ativo.

Saiba Mais 

Telefones tira-dúvidas Semus (apenas para ligações) 

(98) 99101-7540

(98) 99103-0820

Funcionamento 

De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h

Coronavírus

Alerta: com antecipação de feriado, cidades turísticas precisam fazer barreiras no Maranhão

As atualizações das medidas restritivas editadas pelo governador Flávio Dino (PCdoB), por meio de decreto antecipou um feriado e suspendeu atividades não-essenciais nos próximos dias 27 e 28 de março. O feriado atencipado foi o da Adesão do Maranhão à Independência do Brasil, em 28 de julho que será celebrado no próximo dia 26 de março.

Com a formação de um feriado prolongado, cidades turísticas do Maranhão podem ser destino de muita gente. O prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), anunciou em seu Twitter que o pagamento do funcionalismo público municipal será feito na próxima sexta-feira. O governador Flávio Dino (PCdoB) também tem antecipado pagamentos, mas ainda não divulgou quando pagará o próximo vencimento. A antecipação do salário e do feriado podem estimular o turismo regional.

São Paulo tem situação parecida

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), também antecipou feriados municipais para estimular o isolamento social. Já o prefeito de Santos, Rogério Santos, pediu que os paulistanos não visitem a cidade litorânea durante a medida restritiva. “É momento de pedir, não saiam de casa. Não venham para a Baixada Santista. É um apelo que eu faço em nome de todos os prefeitos”, disse o prefeito em uma coletiva de imprensa.

No Maranhão não há pedido neste sentido

A Federação dos Municípios do Maranhão (Famem) e nenhum prefeito demonstrou preocupação com o feriado criado por Flávio Dino. A medida que visa evitar circulação do novo coronavírus pode levar o caos das grandes cidades para cidades menores e com menos estrutura sanitária para conter o vírus e tratar os pacientes.

A Famem, porém, emitiu um comunicado preocupante em que diz que cidades do Maranhão terão plano de contingência para evitar falta de oxigênio para tratar pacientes com Covid-19. Segundo o secretário estadual de Saúde, Carlos Lula, a situação é preocupante apesar das medidas que já estão sendo tomadas para que não haja colapso no atendimento. “Ainda não há falta de oxigênio nas unidades estaduais e não há risco disso acontecer”, tranquilizou Carlos Lula.

Coronavírus, Política

Com pátios lotados, deputado pede que ônibus sejam colocados nas ruas

O deputado estadual Yglésio Moyses (PROS) solicitou que mais ônibus sejam colocados na rua para evitar aglomeração no transporte público.

“São Luís tem mais de 835 ônibus. Essas (abaixo) são imagens das garagens das principais empresas de transporte da cidade. O governo, prefeitura, sindicato de empresas de transporte: vocês precisam colocar esses ônibus nas ruas”, disse o deputado Yglésio, que aproveitou para subir a hashtag #ÔnibusNasRuasJá.

Coronavírus, Negócios

Simplício Araújo vê menos risco de contaminação em restaurantes do que ambientes que estão abertos

Uma publicação do secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo, mostra que bares e restaurantes têm menos risco de contaminação do que outros ambientes que estão abertos, como academias, supermercados, bancos, lotéricas e, principalmente, o transporte público.

Representantes de donos de bares e restaurantes estão insatisfeitos com a medida que proíbe que os estabelecimentos possam abrir para receber clientes presencialmente. Nesta semana, dois empreendimentos declararam fim de suas atividades em São Luís, o Papo de Boteco e o Belô Bar, que tem como proprietário o presidente da Abrasel-MA, Gustavo Araújo.

Participe do grupo fechado no WhatsApp

Os próximos dias serão os mais agudos desta variante de coronavírus, use máscara sempre, lave as mãos e mantenha distanciamento, observe e evite os locais com maior possibilidade de contaminação, faça a sua parte”, disse Simplício Araújo nas suas redes sociais.

Donos de bares e restaurantes vão suspender delivery

Quem pretende parar as atividades por 24h no serviço de delivery são os proprietários de bares e restaurantes. É uma forma de protesto que a Abrasel e o Sindbares encontraram para buscar a reabertura ou perspectiva de quando o setor vai poder abrir novamente.

“Como vamos fazer para pagar a nossa folha de pagamento, nossa energia elétrica, o aluguel e todas as outras despesas? Certamente não será com o auxílio único de 1 mil reais concedido pelo Governo do Maranhão”, diz a nota assinada por Camila di Minda e Gustavo Borges, presidentes do Sindebares e Abrasel, respectivamente.

O bloqueio das atividades acontece na próxima terça-feira (23) e espera que haja uma reflexão sobre a situação vivida por eles.