Política

Negócios tirou torcida do Castelão, não foi a pandemia

Estava (quase) tudo certo para que as torcidas de Moto e Sampaio estivessem na final do Campeonato Maranhense. Em um estádio que cabe 40 mil pessoas, seria liberado 6 mil torcedores. As autoridades chamaram de evento-teste e os torcedores presentes nas duas partidas teriam que já ter tomado a vacina ou apresentar um exame testando negativo para covid-19.

Na tarde desta quinta-feira (13), foi divulgado a notícia de que a partida se daria sem torcida mesmo. A princípio, torcedores pensaram que o Governo do Maranhão havia recuado por conta do avanço da pandemia, mas a declaração do secretário estadual de esporte, Rogério Cafeiteira (DEM), detalhou o verdadeiro motivo. Era apenas negócios.

A TV Mirante / Globo se interessou pela partida e sugeriu transferir o jogo de sábado para domingo, no horário do Esporte Espetacular. Para ter mais audiência, a torcida saiu do estádio para acompanhar o jogo pela telinha da Globo. Pelos direitos de transmissão, os times vão levar uma pequena bolada de R$ 150 mil cada um.

“Iríamos fazer um teste no sábado, às 14h, com as cadeiras já marcadas. Só que apareceu uma oportunidade de transmissão pela Globo, na grade dos dois finais de semana, no horário do Globo Esporte, de 10h ao meio dia. Aí foi ponderado essa questão e chegamos a conclusão que seria mais interessante, no momento, a gente fazer a transmissão ao vivo pela Globo, para o Estado inteiro. E aí fica adiado o evento teste para uma outra oportunidade”, explicou Cafeteira ao blog do jornalista Gláucio Ericeira.

E teve gente que pensou que foi por conta do covid-19….

Foto: Secretário estadual de Esportes e Lazer, Rogério Cafeiteira