Coronavírus

Hospital de Campanha pode evitar colapso da saúde em São Luís

Com o aumento de casos, internação e óbitos por covid-19 em todo o Estado, sendo 20 só ontem (27), o deputado estadual Yglésio Moyses (PROS), por meio de suas redes sociais, retomou a necessidade de instalação de um hospital de campanha na capital maranhense.

O posicionamento do parlamentar vem após a notícia da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), divulgada ontem (27), em obrigar o Ministério da Saúde a custear leitos de UTI para os estados. A decisão do STF, infelizmente, coincide com o atual cenário da pandemia no Maranhão, onde os números vêm assustando com o passar dos dias.

Participe do nosso grupo do WhatsApp e receba todas as notícias primeiro que todo mundo!

Agora, que autorizaram o custeio dos leitos de UTI covid no Maranhão, é hora de mobilizar o financeiro e reinstalar por pelo menos 45 dias o hospital de campanha aqui em São Luís. Ano passado, quando se instalou o hospital, já havia passado o pico da doença. Chegou a hora!

Yglésio Moyses, deputado estadual

Já se especula que o governo pretende aplicar algumas medidas restritivas ainda nesta semana, a exemplo da suspensão das aulas presenciais e de atividades não essenciais. O tempo dessa decisão pode chegar a 15 dias.

Yglésio Moyses é membro da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Maranhão

O parlamentar, que é médico, vem alertando sobre a situação crítica da pandemia no Maranhão há bastante tempo e atua contra a pandemia desde o seu início, pode vir a ser um meio de diálogo entre os governos municipal e estadual, de modo que o hospital de campanha seja instalado no tempo certo, tendo eficácia. No ano passado, a estrutura começou a operar muito depois do pico da primeira onda, salvou vidas, mas não teve o efeito que se esperava.

A pandemia vem acelerando no estado, sendo impulsionada pela falta de medidas mais restritivas. O deputado também alertou sobre a necessidade de medidas de proteção dentro dos coletivos na capital (principal meio de contágio), que circulam lotados e não estão sendo higienizados.